Maria Alice Cavalcanti
Maria Alice Cavalcanti

Dias em família no Peru

12 de setembro de 2018
Eu VivoLugares Pela América do Sul

O Explora Valle Sagrado, localizado nas margens do rio Urubamba entre Cusco e Machu Picchu foi o lugar escolhido para passarmos dias em família e viver o melhor dessa região.

Faz mais de nove anos, que o grupo de hotéis explora decidiu que o próximo destino seria o Valle Sagrado no Peru, e desde então o trabalho foi concentrado em absorver a cultura, história e geografia do lugar; e os resultados falam por si. Situado em uma das fazendas mais remotas do vale, perto do pequeno povo de Urquillos, e rodeado pelos mais importantes vestígios dos Incas, o Explora Valle Sagrado é o ponto perfeito para conhecer o legado da civilização mais importante da América do Sul e a geografia única do seu entorno.

Ao chegar fomos acolhidos pela equipe do Explora, os pequenos com 05 anos já começaram a explorar a propriedade e descobriram duas lindas alpacas que vivem ali com toda tranquilidade e ficaram à vontade com a nossa presença.

A noite nos reunimos com um dos guias para definirmos as explorações que iríamos realizar no dia seguinte. Todas as noites esse encontro se repete em uma área descontraída, super confortável aonde desfrutamos um bom drink, aperitivos divinamente preparados pelo Chef e a delícia de estarmos juntos em família.

O fato de não ter internet nos quartos permite o diálogo entre nós, boas conversas, risadas, momentos que vão ficar para sempre na nossa memória.

No dia seguinte fizemos nossa primeira exploração para Pisac, um dos mais importantes sítios arqueológicos do Valle Sagrado. Foi nosso primeiro contato com as ruínas incas, as nascentes com água que transborda em vida produtiva de toda a região.

Nos dias seguintes fomos para Chinchero (aonde aprendemos sobre a colonização espanhola, passeamos pelas ruelas típicas), sem antes passar por uma comunidade que explora apoia. Um lugar aonde entendemos as diferenças da lã de ovelha, llama, de alpaca e baby alpaca, aprendemos os processos de limpeza dessa lã com raízes que são um detergente natural. E a parte do tingimento que é fascinante! Para os meninos o olhar foi de encantamento e magia. As mulheres com suas roupas minuciosamente trabalhadas são trabalhadoras valentes que se dividem na arte do artesanato e outras optam pela agricultura e cultivo. O machismo é quase inexistente nesse lugar, homens e mulheres executam o trabalho do dia a dia e ensinam as próximas gerações a beleza de uma relação sem preconceitos.

Na van do Explora os meninos olhavam pela janela de suas cadeirinhas, com conforto e toda a segurança. Durante o trajeto desde o hotel até o início da exploração, o tempo era de descontração, muitas perguntas, momento para cantarmos juntos e aprendermos um com o outro.

Um dos pontos altos da viagem foi ser convidado por um peruano residente de Maras, um povoado que teve início com os jesuítas após a invasão espanhola no anos de 1600. Esse Senhor nos encontrou admirando e fotografando a porta da sua casa. Uma das características das construções em Maras são os arcos de pedra em torno das portas de cor azul. Uma obra prima que não passa despercebida.

Aceitamos o convite e logo no pátio principal sua esposa estava ali sentada manuseando uma cenoura, no canto algumas batatas e ao lado um ramo enorme de uma fruta típica peruana que lembra o nosso maracujá azedo, o tumbo. Ele com muito orgulho nos contou um pouco sobre a importância da água e da agricultura para toda a sua família, nos explicou mais sobre as gravuras entalhadas na sua porta e o significado.

Emocionante ver o respeito e a forma os meninos prestavam atenção mesmo sem entender o espanhol rebuscado daquele homem. E ele nos fez um elogio dizendo que foi bonito de ver nossa família junta descobrindo algo novo. Nos despedimos com um bom aperto de mãos e seguimos para as Salineras. Uma reserva com mais de 4.500 piscinas de sal que nos provocam encantamento a todos tanto do alto como quando estamos ali sobre elas. Apenas os habitantes de Maras, 450 famílias são donas dessas piscinas, responsáveis por cuidar dos poços e extrair a flor de sal, o sal rosa e sal. Um trabalho minucioso e um técnica passada de pai pra filho.

Uma exploração com foco em natureza foi Harim, em todo o percurso tivemos ao lado sempre o som da água do rio, pequenas quedas que os meninos amaram brincar com as plantas e pedras. Ver o modo como as pedras de vários tamanhos caíam na água, as texturas das folhas e o visual incrível do vale repleto de cultivo abaixo. No final o encontro com uma cachoeira enorme que com sua força umedecia nosso rosto.

E para finalizar todas as explorações, a equipe do explora prepara uma mesa em meio ao entorno com comidinhas e bebidas para recompensar a energia gasta durante a caminhada.

Uma das tardes ficamos no hotel e percorremos o entorno, aproveitamos o Spa que é chamado Casa de Banhos Pumacahua, localizada perto do edifício principal é outro exemplo do legado histórico que existe na região e no hotel. O casarão colonial data do século XVII e pertenceu a um dos heróis da independência do Peru, o Inca Mateo Pumacahua. No interior, admiramos os afrescos coloniais que foram perfeitamente restaurados. Todo o trabalho realizado foi em parceria com o Instituto de Arqueologia do Peru, com o objetivo de preservar o patrimônio cultural e ancestral próprio dessa região.

Através das explorações guiadas pudemos descobrir juntos o Valle Sagrado por outra perspectiva, todos os dias os guias altamente treinados do explora apresentaram os encantos da região, nos reconectamos com a natureza, vislumbramos lindas paisagens, descobrimos a arte da arqueologia e entendemos a fascinante história da cultura local.

Foi uma viagem de pais e filhos cheia de descobertas e aonde cada um de nós pode manter sua individualidade e se destacar no nosso núcleo famíliar.

Viagens de transformação nas quais o luxo está no tempo que passamos com nós mesmos, um com o outro, nos conectamos com o entorno e tomamos consciência do valor real da vida.

Leia Também
Comente com o Facebook
Deixe seu Comentário