Suzane Hammer
Suzane Hammer

Tblisi : Uma joia entre a Ásia e Europa

16 de dezembro de 2019
Eu VivoLugares Pela Europa

Tbilisi é a capital da Geórgia, e fica entre a Europa e a Ásia, na região do Caucaso. A cidade fica à beira do rio Kura, que em georgiano significa “o lento”. A capital é a maior cidade georgiana e também um importante centro industrial, cultural e está se destacando como um ótimo destino turístico.

Tbilisi foi fundada por volta do ano 450, e antigamente estava localizada em uma importante rota comercial: a Rota da Seda, o que a tornou alvo do domínio de diferentes povos. Ao longo dos séculos, ela foi governada por persas, bizantinos, árabes e mongóis.

Em 1801, a Rússia dominou a cidade e fez dela a capital da província da Geórgia. A União Soviética tomou posse da região em 1921, e a Geórgia se tornou uma das repúblicas que compuseram o país. Setenta anos depois, a Geórgia tornou-se independente, e Tbilisi ficou sendo sua capital. 

A Cidade Velha tem muito a oferecer ao visitante. Com ruas de paralelepípedos, casas em tons pastéis com varadas de madeira esculpidas, praças e árvores frondosas, todas com vista para a fortaleza de Narikala, é um convite para conhecer a cidade descobrir seus segredos escondidos em cada rua.

A Fortaleza de Narikala (século IV) foi construída em uma colina íngreme com vista para o rio e antes mesmo da fundação cidade. O nome persa Nari-Kala (“fortaleza inacessível”) provou ser adequado ao longo dos séculos de invasão e dominação estrangeira, mas hoje os visitantes são bem-vindos para subir e apreciar a maravilhosa vista da cidade. A Fortaleza pode ser acessada por um teleférico onde já é possível ter uma bela vista da cidade.


A Cidade Velha, também chamada de Kala , tem seu bairro Art Nouveau de Sololaki entre as suas atrações. Segundo a história, os árabes construíram um canal nesta área para regar os jardins. O canal em língua árabe é “sululakh” e, desde esse período, o local é chamado Sololaki.

Ao percorrer a rua Sololaki, você pode entender por que Tbilisi foi chamada de “Paris caucasiana”, graças a essa atmosfera especial de paz, mistura de idiomas e arquitetura cosmopolita dos séculos 19 e 20. As casas de Tbilisi, por causa do seu esplendor e qualidade, podem ser comparadas com os padrões do “moderno” europeu. Proprietários ambiciosos ordenaram a construção de suas mansões aos melhores arquitetos da cidade.

No final do século XIX, Sololaki havia se tornado um distrito de prestígio, construído pela burguesia com residências da moda e casas lucrativas em estilo “moderno”. Esse cantinho especial da cidade conseguiu manter as características daquela época, o que faz desse passeio imperdível. Algumas portas decoradas com  mármore, pode-se ler a escrita latina SALVE (“Welcome”) ou sobrenomes dos antigos proprietários.

Muitas das estreitas ruas da cidade velha, escondem graciosos e agitados restaurantes, bares e cafés, assim como  badaladas casas noturnas que oferecem uma vista privilegiada da cidade em seus terraços. Embora a cidade seja pequena para ser visitada em um final de semana, a prosperidade de restaurantes e bares e a riqueza de ofertas culturais fazem valer a pena uma estadia muito mais longa. Nos últimos anos, Tbilisi passou por um renascimento boêmio. Várias de suas fábricas desativadas e reutilizadas como hotéis, bares, galerias e lojas.

A Avenida Rustaveli foi projetada no século XIX e recebeu o nome do grande poeta georgiano do século XII Shota Rustaveli. Esta rua movimentada está agora no coração de Tbilisi e torna se um passeio incrivel onde é possivel observar a mistura do antigo e novo. Portanto, a muito o que ver e desfrutar dessa cidade que manteve suas características antigas mas já se transformou em um maravilhoso destino de viagem.

A cidade também atrai muitos turistas, curiosos para experimentar os banhos nas termas de água mineral que brotam diretamente do solo. O nome Tbilisi significa, justamente, “lugar quente”.

“Uma grande sensação de liberdade e bem-estar me permeava. Todo o meu cansaço havia passado e eu me senti forte o suficiente para erguer uma montanha ”


Alexandre Dumas, após uma visita aos Banhos de Enxofre em 1858.

Com águas minerais naturalmente quentes (47 ° C), os banhos de enxofre têm sido uma parte essencial da vida de Tbilisi por séculos. Os banhos subterrâneos com cúpula de tijolo foram construídos no século XVII e produzem 3 milhões de litros de água todos os dias. Para completar a sua visita aos banhos, uma massagem revigorante será uma ótima opção .


Você já esteve em uma cidade onde você pode encontrar igrejas ortodoxas georgianas, gregorianas armênias e católicas romanas, uma sinagoga, uma mesquita e um templo zoroastriano, todos muito próximos?  Em Tbilisi isso é possível. 

A Igreja Metekhi (século XIII), com a estátua equestre do fundador real da cidade, sobre as falésias íngremes do rio Mtkvari, é uma das imagens clássicas da parte antiga de Tbilisi. A igreja foi destruída muitas vezes. Durante o regime czarista, havia uma prisão, e nos tempos soviéticos, Metekhi era usado como teatro. Foi somente no final dos anos 80 que a igreja foi reconstruída novamente.

Catedral de Sioni (século 7) é considerado um dos lugares mais sagrados do país, pois abriga a cruz sagrada de Santa Nino, a jovem que converteu a Geórgia ao cristianismo no início do século IV. Com pouco mais do que uma cruz feita de galhos de uvas e tranças de seu próprio cabelo, essa jovem viajou pela Geórgia divulgando o Evangelho enquanto realizava vários milagres, que logo levaram o rei na época (Mirian III) a converter e declarar a religião oficial do seu reino como o cristianismo.

A igreja de Anchiskhati (século VI) é a igreja mais antiga de Tbilisi e recebeu o nome de um inestimável ícone do Salvador, que foi mantido aqui e agora está em exibição no Tesouro do Museu de Arte da Geórgia.

A Catedral da Santíssima Trindade (Tsminda Sameba) está listada entre as maiores igrejas ortodoxas do mundo. Construída entre 1995 e 2004, a catedral ergue-se na colina Elia, na margem esquerda do rio Mtkvari e mantém o estilo arquitetônico tradicional da Geórgia. O complexo inclui nove capelas, vários edifícios complementares e jardins encantadores. A catedral é a mais alta não só na Geórgia, mas em toda a região do Cáucaso. A altura do solo até o topo da cruz é de 105,5 metros. A cúpula dourada da catedral é praticamente visível de qualquer ponto de Tbilisi e é um marco imperdível a qualquer hora do dia.

Tbilisi é seu nome, uma cidade que tem tanto a oferecer e mostrar. Historia, cultura, gastronomia, hospedagem e diversão, fazem com que todos esses fatores, coloquem a cidade em seus planos de viagem.


Leia Também
Comente com o Facebook
Deixe seu Comentário